Viticultura

Pertencentes ao município de Anadia, as Freguesias de Arcos e Mogofores fazem também parte da conhecida Região da Bairrada, cuja Denominação de Origem Controlada só pode ser utilizada na identificação dos vinhos brancos, rosados, tintos e espumantes produzidos nesta área. Com um clima mediterrânico/atlântico, caracterizado por Verões com dias quentes e noites frescas, a Bairrada, país das uvas, das vinhas e de grandes vinhos, é uma Região de colinas suaves, soalheiras e barrentas, cujos limites naturais são os areais da orla marítima e as serras do Buçaco e do Caramulo, abrangendo a totalidade dos Concelhos de Anadia, Mealhada e Oliveira do Bairro, a maior parte do Concelho de Cantanhede, bem como algumas Freguesias dos Concelhos de Águeda, Aveiro, Coimbra e Vagos.
 
Museu do Vinho - Foi inaugurado em 27 de Setembro de 2003. É um espaço museológico, pluricultural, dos maiores do País, que a Bairrada e os seus vitivinicultores merecem.
 
Rota do Vinho da Bairrada - A Rota do Vinho da Bairrada é um projecto em fase adiantada de implementação, que consiste na oferta de um produto turístico de características promocionais, culturais e pedagógicas inovadoras. O seu objectivo é atrair os turistas nacionais e estrangeiros às Caves, Adegas e Produtores-Engarrafadores da Região, para visitas programadas segundo rotas pré-estabelecidas. 
 
Este programa envolve quatro Municípios da Região Demarcada da Bairrada (Anadia, Cantanhede, Mealhada e Oliveira do Bairro), a Comissão Vitivinícola Regional da Bairrada, a ADELO (Associação de Desenvolvimento Local do Mondego e Bairrada), a Direcção-Geral do Turismo e a Comissão de Coordenação da Região Centro. Aderiram a esta iniciativa 18 produtores, entre os quais as 5 Adegas Cooperativas da Região.
 
O projecto tem deparado com alguns lamentáveis obstáculos levantados por entidades oficiais, nomeadamente a Junta Autónoma das Estradas, por causa da simbologia a utilizar na imprescindível sinalização viária da Rota. Numa época em que bastantes países produtores vinícolas do Velho e do Novo Mundo têm já devidamente organizadas e assinaladas várias das suas Rotas do Vinho, fazendo delas um importante factor de promoção cultural e turística das respectivas regiões. Tenhamos esperança em que a falta de cultura de algumas pessoas, que têm o poder de decidir, não seja suficiente para impedir a divulgação da milenar e nobre Cultura do Vinho.
 
Estação Vitivinícola da Bairrada – Por Decreto Real de 30 de Junho de 1887 foi criada a Escola Prática de Viticultura e Pomologia da Bairrada, a primeira duma série que então se ergueram pelo País, algumas das quais, chegaram aos nossos dias, com designações e funções diferentes, como a de Anadia.
O primeiro Director foi o Engº Agrónomo José Maria Tavares da Silva que principiou as suas funções em Janeiro de 1889 e dirigiu as construções que ainda são as actuais.
 
Em 1891 a Escola Prática de Viticultura e Pomologia da Bairrada é desdobrada em Estação Ampelo-Filoxérica e Escola Elementar de Viticultura Prática.
Em 1892 tem a denominação de Escola de Viticultura Alexandre de Seabra.
Em 1899 passa a chamar-se Escola e Ensino Manual da Bairrada.
Em 1901 é criada a Estação de Fomento Agrícola da Bairrada que em 1911 passa a chamar-se Estação Agrária da 4ª Região Agrícola, até que volvidos dois anos, em1913, assentou em Posto Agrário da Bairrada.
 
Como Posto Agrário, funcionou durante 18 anos e, por fim ,em 1913 é criada a actual Estação  Vitivinícola (da Beira Litoral).
 
No primeiro da sua actuação na Bairrada (1889), o dinâmico director, Tavares da Silva, nos entrementes das suas enormes preocupações com a construção do edifício destinado ao Colégio, que durou 16 meses, teve tempo para se dedicar à experimentação enológica, dando-nos no oficio, de 9 de Maio de 1890, par o Director Geral da Agricultura, a notícia do primeiro passo para a valorização das massas vínicas.
 
Com base em documentos existentes, e alguns transcritos em excertos publicados no livro lançado aquando do centenário da Estação Vitivinícola, uma das primeiras preocupações de Tavares da Silva foi a “champanhização” com vinhos da Bairrada. E conseguiu.
 
Embora a fabricação de vinhos espumantes, começasse em 1890, Tavares da Silva, achou que só deviam ser apresentados no mercado no ano de 1895.
Com isto, podemos afirmar que o espumante da Bairrada, nasceu na Estação Vitivinícola tendo chegado à denominação de origem controlada-Bairrada, através duma portaria de 1979 que estabeleceu as condições a que deviam obedecer as vinhas e os vinhos regionais.
 
Desde 1928 que se realizam Cursos Intensivos de Vinificação, que tiveram como Director, o Engº Mário dos Santos Pato «uma autoridade incontestada em assuntos enológicos». 
 
Actualmente funciona na Estação Vitivinícola da Bairrada, a Escola de Viticultura e Enologia da Bairrada, criada em Julho de 1991, que tem como objectivo a «profissionalização» de técnicas na área vinícola e ministrar o ensino nas áreas científicas e sócio-culturais que viabilize o acesso ao Ensino Superior.